Ciladas comuns e dicas de como evitá-las

allen vizzuttipor Allen Vizzutti

 

A seguir estão as armadilhas típicas e comuns que causam rigidez (dos lábios), má resposta e inconsistência geral ao tocar trompete:

  • Não aquecer – 15-20 minutos – sempre. (Material de aquecimento específico está nos livros Allen Vizzutti Trumpet Method books).
  • Praticar muita flexibilidade no registro agudo na parte superior do pentagrama e acima -. Não é necessário.
  •  Muitas notas longas – não são necessárias. Rigidez causada por contato estático bocal/lábio.
  • Concentrar-se e trabalhar a embocadura e resistência dos cantos da boca – não é necessário.
  • Os 3 itens acima, deixa-me muito rígido então não pratico-os,, a menos que precise melhorar um movimento técnico, neste caso a prática mínima de flexibilidade por exemplo, resolve.
  • Tocar muito forte. Não praticar piano suficientemente. Não fazer freqüentes descansos / pausas curtas. Tocar COM UM BOCAL QUE É MUITO GRANDE e é o resultado inevitável: MUITA PRESSÃO NA MÃO ESQUERDA OU NO DEDO NO ANEL
  • Over blowing (excesso de ar). Deixar o bocal nos seus lábios por muito tempo sem tirá-lo dos lábios ou aliviar a pressão. Tocar com bocais super pesados ou trompetes muito pesados – não é necessário – este tipo de equipamento cria resistência artificial e um som morto. Não ter uma mente aberta.
  • Não estar disposto a experimentar.
  • Posição ruim da mão. Não inalar habitualmente de uma forma relaxada e profunda.
  • Posição da língua muito baixa nos registros médio e agudo.
  • Não usar o bom senso – se praticar algo te faz sentir-se mal, então não pratique.

Aqui está o que você precisa descobrir:

  • O conceito de produção eficiente do som, fluxo de ar constante e suave, relaxamento e controle de abertura dos lábios.
  • Pratique tempos mais curtos, mas mais do que uma vez por dia. Se você soa terrível e pode ter um dia de folga – faça isso. Vá fazer trabalho de casa. Encontre-se com algumas pessoas legais Ouça as idéias do seu amigo sobre trompete – mas com certo ceticismo.
  • Fundamentos nunca mudam, mas a interpretação das técnicas com as quais estabelece-se os fundamentos do som, variam. Não há um caminho que é exatamente o mesmo para todos os músicos, mas grandes idéias e materiais musicais sólidos funcionam bem para a maioria de nós. Boa Sorte!!!

Fonte: http://www.vizzutti.com/journal.html

Tradução: Bruno Garcia Fermiano

Quais são os seis pontos da técnica???

por David Bilger

 

A técnica pode ser dividida em 6 principais categorias: sonoridade, articulação, flexibilidade, agilidade, extensão e resistência. O que se segue são idéias e exemplos de exercícios e estudos que podem ser utilizadas para melhorar estas habilidades necessárias para um trompetista. Idéias sobre aquecimento e  rotinas serão oferecidos mais tarde.

Som: Uma boa sonoridade no trompete é uma combinação de uma embocadura funcional e a utilização adequada do ar. Assim, os seguintes exemplos irão concentrar-se na melhoria da resistência e do foco ou fluxo de ar (ou ambos!!!).

1-      Notas Longas: Tocar sustentando notas de pelo menos 12 batimentos em quatro = 60 certificando-se de que o som é bom e estável. Continue com a mesma sensação de fluxo de ar que você obteve com as notas longas enquanto toca Herbert L. Clarke Technical Studies (# 1-5). Chamo isso de “movendo notas longas”. A idéia é manter o livre fluxo do ar que nós conseguimos com as notas longas. Também usar para Schlossberg Daily Drills e Claude Gordon Systematic Approach to Daily Practice.

2- Estudos de Fluência: Estes também poderiam ser chamados estudos líricos. Assim como nós falamos sobre como manter o fluxo do ar no referido “movendo notas longas”, praticando estudos de fluência continua a reforçar a idéia de sempre usar o ar suficiente. Materiais de uso para este fim são Stamp Warm – até Studies (também usada para notas pedais), Concone Lyrical Studies, Bordogni 24 Vocalises (também usado para a transposição), e Cichowicz Trumpet Flow Studies.

3- Notas Pedais e Bends: Utilizando as notas pedais e os bends podem-se reforçar a embocadura. Exercícios de notas pedais do Stamp Warm – de Estudos e Gordon Systematic Approach ao Daily Practice são um bom modo para começar. Bend será discutido em profundidade na classe, e exemplos podem ser encontrados no adendo.

4- Buzzing: Todos os estudos anteriores podem ser feitos com o bocal. Buzzing é uma parte importante do desenvolvimento saudável, porque obriga o trompetista a concentrar-se nas notas, em vez de basear-se no trompete para fazer isso para você.

Articulação: é uma combinação de equilíbrio adequado entre a língua e o ar. Ao praticar a articulação, um trompetista sempre deve concentrar-se em uma flutuação da língua sobre uma base de ar e, em seguida, trabalhar a língua em uma posição e uma movimentação fácil. Articulação simples e dupla são a base de todas as articulações, e deve ser praticado independentemente uma da outra. Sem uma rápida articulação simples, um bom triplo não é possível. Não há nenhum substituto para a prática de articulação. Seguem – se sugestões de exercícios, mas literalmente cada texto tem uma seção sobre articulação. Tente Charlier 36 Etudes (# 14, 16, 22, e 25), Goldman Practical Studies (1-4), e a maioria do livro Arban.

Flexibilidade: engloba todos os aspectos de tocar trompete, especialmente articulação e extensão. Exercícios de flexibilidade de lábios são realmente exercícios para a língua, uma vez que usa-se a língua para produzir as notas. O livro Arban é uma boa prática, mas há outros materiais incluindo Colin Lip Flexibilities, Schlossberg Daily Drills e Irons 27 Grupos de Exercícios.

Agilidade: Agilidade na verdade refere-se à rapidez de um trompetista entre os dedos e cérebro. Incluído neste tópico está treino de habilidades, estudos de transposição e leituras.

1-      Habilidade com os dedos é extremamente importante, e muitas vezes esquecida. Para melhorar a habilidade, recomendo praticar grandes e pequenas escalas, cromática escalas, arpejos do Arban Complete Method. Nada pode substituir esses estudos. Outras fontes de melhorar a agilidade com os dedos são Nagel Speed Estudos e Vizzuti avançada Etudes.

2-      Transposição é uma habilidade necessária para qualquer trompetista profissional que tenha objetivos. É também um dos mais esquecidos, pois é muito trabalho e é não tem resultado a curto prazo. Comece com o Caffarelli 100 Studi Melodici e Bordogni 24 Vocalises, e mude para o Sachse 100 Etudes. Esteja ciente de que a transposição requer um investimento constante de longo prazo do seu tempo (anos!), E não deve ser menosprezada.

3-      Leitura a primeira vista é uma habilidade que pode ser praticada numa base diária. Pegue qualquer novo, velho ou desconhecida peça de música, e logo você terá uma leitura. Leia duetos com um amigo, ou um desafie – se apenas por diversão. Hickman Music Speed Reading é um texto de qualidade com dicas sobre como melhorar suas habilidades, como é Dufresne Develop Sight Reading.

Extensão: extensão (tanto aguda e grave) são funções de força na embocadura, posição da língua, fluxo de ar, e centragem. Muitos exercícios já discutido aumentarão a extensão, tais como notas pedais, bends, os estudos de flexibilidade, estudos de fluência, etc. Tente praticando ligaduras de oitava  enquanto certifique-se de mudar o seu som de vogal Ah! para Eeee! partindo do grave para o agudo. Certifique-se de não usar demasiadamente pequenas ou grande pressão no registro agudo. Lembre se, se você não praticá-lo, não poderá fazê-lo — o que se aplica às notas graves também. Algumas coisas estão na prática de Stamp Warm – até Studies, Gordon Systematic Approach ao Daily Practice, Smith Top Tons, e Vizzuti Advanced Etudes.

Resistência: Como no caso da extensão, a resistência também é uma combinação de muitos dos temas já abordados e ajudará com a prática dos mesmos estudos. As duas outras coisas que vão mais rapidamente melhorar a resistência será a eficiência e a prática.

1-      Eficiência é uma necessidade para qualquer músico de metal. Tocar o trompete é muito físico e tocar eficiente irá reduzir as exigências sobre o trompetista. Eficiência pode ser alcançada pela atenção dos seguintes procedimentos:

  1. Utilize sempre um bom volume de ar e de alta velocidade.
  2.  Sempre toque com o conjunto de sua embocadura.
  3. Não use pressão excessiva
  4. Pratique com a parte superior do corpo relaxada.
  5. Sempre pense no que está fazendo enquanto toca.

2-      Prática de Dinâmica é outra parte de tocar trompete que é muitas vezes esquecida. Lembre-se, quando praticado em níveis de dinâmica muito forte, sempre mantenha seu som sem distorção e nunca cause dor física sozinho. Não aplique pressão excessiva! Trechos Orquestrais são uma boa fonte para essa prática, como são também os Brandt Orchestral Etudes. Talvez o melhor recurso para a prática de dinâmica é o Schilke Power Exercises. Pratique 5 minutos destes no dia e será tudo o que você precisa para desenvolver a força necessária para aumentar a resistência.

Retirado de um Masterclasse do ITG

Tradução: Bruno Garcia Fermiano

David Bilger é 1º trompete da Orquestra Sinfônica da Filadélfia

Tirando mais proveito da sessão prática – Parte 3

Prática Diária é um DEVER

Se você quer realmente tornar-se proficiente em um instrumento musical, você deve praticar no mínimo por um curto período de tempo como tantos dias quanto você possivelmente puder. Você pode não ser capaz de praticar a mesma quantidade de minutos ou horas todo os dias e isso é normal, mas não deixe para amanhã apenas porque você não tem uma ou duas horas. Meia hora é melhor do que nada!

Tente estabelecer uma meta realista para a quantidade de tempo que você gostaria de praticar todos os dias. Descubra qual é a quantidade razoável de tempo na sua agenda e tente usá-la todos os dias. Planeje sua agenda de estudo semana a semana. Sente-se aos domingos e planeje um tempo de prática para todos os dias da semana (Não precisa ser a mesma quantidade de tempo todos os dias). Siga o planejamento como se isso fosse uma aula ou emprego. Provavelmente o mínima quantidade de tempo para um estudante sério é no mínimo uma hora por dia (isso não inclui o tempo de aquecimento). Se você realmente quer ser um primeiro trompete, isto deveria estar próximo de duas horas diárias.

Pratique um pouco de leitura à primeira vista todos os dias

Leitura à primeira vista, como qualquer outra coisa, necessita prática! Você pode ler exercícios, peças, solos, jazz ou qualquer coisa que você tiver em mãos. Livros de ritmo para bateria são ótimos para praticar (apenas pegue um nota para tocar e leia os ritmos). Quanto mais padrões rítmicos alguém possa reconhecer à primeira vista, melhor a leitura rítmica será. Na verdade, muitos bons leitores à primeira vista são “re-leitores”. Eles já tem visto aquelas figuras muitas vezes antes e essas pessoas reconhecem as figuras cada vez que elas aparecem em uma nova peça. Conhecer teoria musical também ajudará a sua leitura. Se você pode reconhecer acordes e escalas sem o contexto do que você está tocando, você terá que fazer menos leitura nota por nota. Também será capaz de coordenar melhor seus ouvidos com os olhos, cérebro com os dedos. Outra ideia útil é ser capaz de ler a frente do que você está tocando no momento. Isso exige prática, mas muitos grandes leitores à primeira vista são capazes de fazer isso. Comece esse tipo de prática lendo peças muito fáceis ou estudos e apenas mantenha seus olhos um compasso a frente do que você está tocando.

O resultado final para se trabalhar é uma performance musical

Tornar-se um músico vai além de apenas ser um bom “tocador”. O verdadeiro músico esmera-se por um completo entendimento da música, bem como comunicação com os outros músicos e com a platéia. Tudo deve ser visto e tocando na música: dinâmicas, articulações, fraseado, etc. As notas são apenas o começo! A música deve também ser interpretada estilisticamente correta, tocada com convicção, fraseada adequadamente e com emoção. Músicos verdadeiros realmente colocam eles mesmo dentro do espírito e sentimento das performances.

Traduzido do artigo “Getting more out of a pratice session” de Mike Vax

Mike Vax é um músico de jazz, tendo tocado lead e trompete solo com the Stan Kenton Orchestra, the Clark Terry Band e the U.S. Navy Show Band.

Tradução: Bruno Garcia Fermiano

Tirando mais proveito da sessão prática – Parte 2

Descanso

Se estou em uma sala de estudos durante uma hora, provavelmente terei tocado em torno de 35-40 minutos descansando entre cada exercício. O tempo que você descansa é tão importante quanto o tempo que você toca. Esse tempo pode ser usado para estudar o que você tem tocado ou o que você irá tocar, ou para ver se há alguma coisa que você precise rever e praticar à parte para corrigir algum erro. Quando estiver praticando algum exercício,  estude o próximo antes que você pratique-o. Preste atenção na tonalidade, na marcação de tempo, nas frases, etc.  Então toque o exercício. Deste modo, você construirá sua resistência muito mais do que tentando “matar” você mesmo durante uma hora ou mais, acabando por machucar os seus músculos.

Use sua cabeça

Você deve sempre pensar sobre o que está fazendo quando pratica! Isto pede uma completa concentração! Te leva para dentro da música que você está trabalhando.

1) Selecione partes que estão lhe dando problemas e isole-as. Eu uso aqui uma citação muito conhecida na matemática: “O meno denominador comum”. Isso pode chegar até mesmo uma ou duas notas que estão lhe dando problema. Pratique várias vezes devagar até elas estejam confortáveis e aumente a velocidade gradualmente. (Um metrônomo é de extrema importância quando praticar algo como isto). Então, coloque a frase inteira junta.

2) Aprenda a perceber quando alguma coisa está correta e analise o que você fez para que a passagem fosse executada realmente bem. Volte e tente recriar a mesma situação e sentimento. Não permita que pensamentos negativos, como “Não posso tocar esta parte”, entre na sua mente.

3) Quando praticar, decida antes se você irá tocar tudo sem parar ou se irá corrigir os erros assim que eles ocorrerem. Você deve praticar as duas maneiras para obter o máximo de proveito do seu tempo. Perto de performances, você deve ser capaz de tocar tudo sem parar, mesmo se erros acontecerem. Praticando quando ocorrem alguns erros ou escroques (mantendo a concentração), estará lhe preparando para qualquer coisa que possa acontecer em uma situação real de performance.

Lento, muito lento, lentíssimo

Os músicos mais bem sucedidos são os que tem finalmente percebido que praticar lentamente é a melhor maneira para tornar-se um grande trompetista. Se você pratica muito rápido, apenas aprenderá os erros. Isso pode ser muito frustrante ao longo do tempo. Lembre-se que nossos cérebros trabalham como um computador. Se você alimentá-lo com informações erradas,  ele irá reproduzir as mesmas informações erradas até que sejam corrigidas.

Use o AR!

Um instrumento de sopro não funcionará efetivamente sem um adequado uso do ar! (Esse é o motivo de ser chamado de instrumento de sopro). Se você está tentando tocar mais agudo, mais grave, mais forte, mais leve, mais rápido, mais devagar, etc, você deve sempre apoiar seu som adequadamente.

Os 3 C

1) Confiança: a fé em nós mesmos para acreditarmos que nós podemos tocar qualquer coisa que for colocada em nossa frente. Isso não quer necessariamente dizer que nós podemos ler tudo à primeira vista, mas com a adequada quantidade de prática, nós podemos alcançar nosso objetivos de tocar qualquer coisa que devemos tocar em qualquer performance!

2) Controle: habilidade para tocar o instrumento com um bom som. Isso exige muito ar, como também flexibilidade e notas longas.

3) Consistência: habilidade para tocar o instrumento com um bom som e boa articulação. Isso exige muito ar, construída pela prática de escalas, arpeggios, estudos técnicos e estudos.